No dia 9 de julho, representantes das centrais sindicais se reuniram mais uma vez com o ministro do Trabalho Manoel Dias para tratar do tema da NR12, norma regulamentadora que define critérios de proteção do trabalhador quando desenvolve atividade de trabalho com a utilização de maquinas.

João Donizeti Scaboli, coordenador do departamento de saúde do trabalhador da FEQUIMFAR, acompanhou a reunião ao lado de demais companheiros. Segundo ele, a norma vem sofrendo críticas por parte da CNI, devido exigência da adequação das máquinas já existentes no parque industrial. Os empresários alegam que o custo de adequação vai inviabilizar os investimentos na produção, e com esses argumentos eles vêm procurado o Ministro no sentido de obter do ministério a suspensão da norma.

O agravante em relação a esse tema foi o ultimo pronunciamento do ministro Mantega, alegando que em setembro soltara um pacote de bondade para o setor empresarial, e nesse pacote se cogita dar como incentivo a suspenção das multas aplicadas pelo MTE, referente a inflação pelo não cumprimento da norma ou seja a não adequação  das maquinas a NR12.

Esse assunto vem se protelado devido a essa estratégia patronal e os números não param de crescer, pois se pegarmos os dados do CAT emitidos nos anos de 2011,2012 e 2013, somados, somente os acidentes ocorridos com maquinas, teremos um total de 172.115 mil acidentes, que representam 10.710 mil amputações, 26.010 fraturas e 358 Óbitos.

Os dirigentes das centrais solicitaram ao Ministro Manoel Dias que marque uma reunião conjunta entre os representantes da CNI e representantes dos trabalhadores, dirigida pelo próprio Ministro para que dessa reunião, ele obtenha dados suficientes para encerrar de vez essa polêmica criada por interesses oportunistas e irresponsáveis, que vem atingindo diretamente o trabalhador, gerando doenças profissionais, e provocando mutilações e óbitos, além de estar pondo em risco ao processo de negociação tripartite.

Fonte: com informações do Sindicato dos Metalúrgicos de SP.